Rússia x Ucrânia: entenda o que são armas termobáricas

0
5016

O conflito entre a Rússia e Ucrânia, que começou na madrugada da última quinta-feira (24), tem o mundo em estado de alerta. Em cinco dias de guerra, murado de 352 civis foram mortos e 1.684, feridos. De pacto com as Nações Unidas há 422 milénio refugiados no país. A primeira rodada de negociação em Gomel, cidade em Belarus que faz fronteira com Rússia e Ucrânia, terminou sem sucesso depois cinco horas de debate sobre o cessar-fogo, na última segunda (28). O suposto uso de armas termobáricas pelo tropa russo abriu o debate sobre verosímil delito de lesa humanidade.

A Aviation Thermobaric Bomb of Increased Power (ATBIP), também conhecida porquê explosivo de aerosol ou explosivo de ar combustível, é um tipo de munição de dois estágios. No primeiro estágio libera um aerosol de combustível à base de carbono com minúsculas partículas de metal, logo uma segunda fardo explosiva acende essa nuvem, criando uma esfera de incêndio, enquanto consome todo o oxigênio ao volta. Essa capacidade de “sugar” o ar ao volta é o que gera uma explosão de subida potência e dissipação de virilidade. 

Estima-se que o calor gerado por essas bombas cheguem a 3 milénio °C, suficiente para liquidificar metais porquê ferro. A vaga de choque gerada pela explosivo é capaz de promover danos sobre estruturas, construções, veículos e no corpo humano. A Marinha do Brasil, em item, destaca que pessoas localizadas a poucos metros do ponto de explosão de uma explosivo termobárica podem ser desintegradas e

aquelas a dezenas de metros ainda podem tolerar impactos severos no organização.

Em ambientes fechados, a pressão gerada dentro do relâmpago de explosão é, pelo menos, 29 vezes maior que a pressão atmosférica. O choque, produzido por uma arma termobárica, se propaga a uma velocidade de 3,2 km/s.

Os Estados Unidos também possuem tecnologia similar com a Mother of All Bombs (MOAB – mãe de todas as bombas). O Pentágono teria usado esse tipo de armamento na invasão ao Afeganistão no início dos anos 2000 e novamente em 2017. Aliás, Reino Unificado e China também teriam desenvolvido suas próprias armas termobáricas.

Embora não haja confirmação solene do uso de tais armas, imagens difundidas pelas ONGs Anistia Internacional e a Human Rights Watch mostraram lançadores de foguetes termobáricos nos veículos TOS-1 da Rússia.

Se a denúncia for verificada, a Rússia pode ser julgada por crimes de guerra. Na segunda (28), o procurador-geral do Tribunal Penal Internacional anunciou que “existe uma base razoável” para que o tropa russo seja denunciado de crimes de guerra e crimes contra a humanidade.

O suposto ataque a um jardim de puerícia e a um orfanato na cidade de Okhtyrka levou a Ucrânia a pedir uma investigação na CPI.

“Os ataques russos contra um jardim infantil e um orfanato são crimes de guerra e violações do Regime de Roma”, escreveu o ministro de Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba.

Em resposta, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov assegurou que trata-se de uma trapaça. “Rechaçamos categoricamente. Rússia não é membro da Namoro Penal Internacional”, declarou.

 

Edição: Rodrigo Durão Coelho

Manadeira: Brasil de Traje

Deixe um comentário