Sakamoto | Perdão, Joaquim Barbosa: o vício de Moro foi

0
4999

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federalista (STF) Joaquim Barbosa disse que o “vício” do ex-juiz Sergio Moro foi ter confiado em Jair Bolsonaro e feito troço do governo. A enunciação foi dada em entrevista concedida ao programa de Pedro Bial, na TV Universo, na madrugada desta terça (8). Moro depois brigou com o encarregado e, hoje, é pré-candidato à Presidência.

Barbosa foi relator da Ação Penal 470, que analisou o Mensalão no STF. Instaurada em 12 de novembro de 2007, seu julgamento começou quase cinco anos depois, em agosto de 2012, dando significativos índices de audiência para a TV Justiça. Pela primeira vez, os brasileiros acompanhavam com atenção a transmissão de um julgamento porquê se fosse BBB. Dividiam-se em torcidas organizadas.

Naquele ano, Joaquim Barbosa se tornou protagonista de memes que viralizaram pela rede, retratando-o porquê um herói justiceiro que traria “ordem” para o país ao punir os criminosos por prevaricação, custe o que custasse. Em alguns deles, sua toga preta se confundia propositadamente com a toga de Batman. Em outros, era retratado vestindo o calção vermelho por cima do colã azul do Super-Varão.

:: Joaquim Barbosa acusa Bolsonaro de “manipular” os fatos no caso Mensalão ::

Alguns anos depois, Moro substituiu Barbosa na representação de super-herói contra a prevaricação. O primeiro registro que tenho notícia da aparição da cabeça do portanto juiz federalista transplantada no corpo do Super-Varão foi em março de 2016, em meio às manifestações de rua pela derrubada de Dilma Rousseff. Um grupo de Lucas do Rio Virente (MT) resolveu fazer uma vaquinha para encomendar um inflável com 12 metros de profundidade para provar seu base.

Três anos depois, em 19 de junho de 2019, já porquê ministro da Justiça de um presidente eleito graças a ele ter sacado fora o principal oponente na disputa, Super-Moro foi inflado mais uma vez em frente ao Congresso. Ele falaria naquela manhã no Senado sobre as mensagens reveladas pelo site The Intercept Brasil, em parceria com outros veículos de prelo. O vazamento da notícia entre ele e procuradores da Lava Jato mostrando um conluio acabou levando o STF a extinguir as ações contra Lula e considerar Moro parcial.

Leia mais: Um ano em seguida termo da Lava Jato, juristas analisam ingressão de Moro e Dallagnol para a política

É da natureza de um povo cansado por um Estado incapaz de prometer aos seus cidadãos aquele quinhão de Justiça previsto na Constituição que procure salvadores. Mitificados por uma parcela da sociedade, esses acabam alvos da projeção de muitas qualidades e de nenhum defeito – o que alguns deles fazem questão de incentivar. Construção que acaba tornando a pessoa, mais do que referência em uma certa extensão, um repositório de tudo o que é bom.

O processo acaba por produzir santos, porquê já disse cá algumas vezes. E as regras para os santos são diferentes. Eles podem subverter as leis dos seres humanos em nome de um “muito maior”, mesmo que, ao fazer isso, usem métodos tão bizarros quanto o mal que afirmam querer liquidar.

“Eu vejo, eu ouço”, tuitou Moro no dia 30 de junho de 2019 em meio aos protestos a seu obséquio. A enunciação faz referência ao livro Êxodo, capítulo 3, versículo 7, em que diz que Deus estava acompanhando o sofrimento dos judeus no Egito. Que, por um contingência, era seu povo escolhido entre todos na Terreno. “E disse o Senhor: Tenho visto atentamente a aperto do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por culpa dos seus exatores, porque conheci as suas dores.”

Foi uma escolha réplica de Moro. O Êxodo tem pragas e recompensas, leis e punições, e um povo sofrido e humilhado que não é libertado por sua própria mobilização, mas que precisa de um líder que o retire da escravidão – ação que conta com mediação divina. Faz mais sucesso do que a autodeterminação.

:: Moro praticou caixa dois? Entenda denúncia sobre suposto pagamento à campanha de ex-juiz ::

A questão que se coloca é que heróis não recebem auxílio-moradia. Não são chamados de “doutor”, nem ficam irritados se interpelados. Não encaram a si mesmos porquê infalíveis, pois sabem que esse julgamento não lhes cabe, mas à História. Não precisam de jornalistas os defendendo. Pedem desculpas, reconhecem seus erros.

Joaquim Barbosa se filiou ao PSB em 2018. Era grande a expectativa de que ele sairia candidato à Presidência da República, o que acabou não acontecendo. “Uma coisa é saber, outra é se lançar na redondel”, disse na entrevista desta terça. Continuou no partido até se desfiliar leste ano. Disse a Pedro Bial que talvez se junte a outro para se candidatar, mas ainda não decidiu.

Já Moro filiou-se ao Podemos e se apresentou porquê pré-candidato à Presidência da República. Na última pesquisa PoderData, Lula aparece com 40% de intenções de voto enquanto o ex-juiz tem 6%, numericamente detrás também de Jair Bolsonaro e Ciro Gomes.

Leia também: Lula tem 40%, e vantagem sobre Bolsonaro fica firme, diz pesquisa PoderData

Seria ótimo entendermos que não precisamos de heróis da extrema direita, da direita, do centrão, da esquerda. Não precisamos de ninguém além de nós mesmos para nos salvar. Mas o legado de porquê a Justiça encarou a justiça nos últimos dez anos vai servir para reafirmar que cada sociedade merece mesmo os heróis que constrói para si.

Barbosa está ludibriado. O vício de Moro foi ter visto a si mesmo porquê alguma coisa muito maior. O que está muito explicado no livro de Eclesiastes, capítulo 1, versículo 2: “Vaidade de vaidades, diz o pregador, vaidade de vaidades! Tudo é vaidade”.

 

**Leste é um texto de opinião. A visão do responsável não necessariamente expressa a risca editorial do jornal Brasil de Roupa.

Edição: Rebeca Cavalcante

Nascente: Brasil de Roupa

Deixe um comentário