Sangue dos ursos permite-os invernar, mas o porquê ainda é um mistério

0
363

Cientistas japoneses deram um soro retirado do sangue de ursos negros a humanos, e observaram ganhos musculares inéditos.

Os fatores únicos no sangue destas criaturas durante o Inverno permitem-lhes prevenir a atrofia muscular, apesar de passarem meses inativos.

Os ursos em hibernação podem permanecer parados durante cinco a sete meses por ano, dentro das suas cavernas, sem consumir nem ingerir.

Nos humanos, somente três semanas de inatividade são suficientes para provocar a perda de volume muscular. Ao longo do tempo, isto contribui para doenças sedentárias, relacionadas com o estilo de vida, uma vez que a obesidade e a diabetes — e até mesmo a morte prematura, segundo a Phys Org.

Os ursos, todavia, sobrevivem à sua hibernação com perda muscular limitada, disfunção metabólica mínima, e funções físicas ilesas.

“O maravilha ‘usar ou permanecer sem’ é um princípio fisiológico muito aceite dos músculos. O desuso leva tipicamente à perda do músculo esquelético e a disfunções metabólicas em muitas espécies animais, incluindo humanos”, explicou Mitsunori Miyazaki, professor de Ciências Biomédicas e da Saúde na Universidade de Hiroshima.

“Em contraste, os animais que hibernam são provavelmente melhor descritos sob o maravilha ‘sem uso, mas sem perda’, na medida em que existe resistência à atrofia muscular durante condições de desuso contínuo“, acrescenta.

O estudo realizado em conjunto com investigadores da Universidade de Hokkaido revelou que o soro retirado do sangue de ursos negros japoneses que hibernam enfraqueceu o “mecanismo de devastação” que controla a degradação muscular. As descobertas foram publicadas na revista PLOS ONE.

A volume muscular é geralmente determinada pelo segurança entre a “síntese” e a “degradação” de proteínas. Mas uma vez que leste segurança é perturbado pelo soro dos ursos hibernantes, as células musculares cultivadas mostraram um desenvolvimento proteico significativo posteriormente 24 horas de tratamento.

Levante notável aumento de proteínas não foi observado nas células musculares infundidas com soro retraído durante a estação de verão dos ursos.

Os investigadores atribuíram a capacidade diminuída do “mecanismo de devastação” dos músculos à sentença suprimida da MuRF1 (Muscle RING-finger protein-1), o interruptor que desencadeia a dos músculos não utilizados.

Segundo a equipa de investigação, é provável que a supressão da MuRF1 tenha sido mediada pela ativação do eixo Akt/FOXO3a — a proteína responsável pela elevação da síntese proteica.

Os cientistas também observaram níveis aumentados da hormona do fator de desenvolvimento IGF-1 (fator de desenvolvimento semelhante à insulina-1) no soro dos ursos.

Estudos anteriores já relataram variações sazonais das concentrações de IGF-1 no soro de urso, constatando que as concentrações de IGF-1 eram mais elevadas durante o período de verão e mais baixas no início da hibernação. Depois, aumentavam novamente perto do término da hibernação.

No novo estudo, os investigadores redirecionaram a sua atenção, depois de corrigirem os cálculos sobre os níveis de concentração de IGF-1 no soro dos ursos.

Acreditam ser verosímil que as concentrações mais elevadas de IGF-1 observadas no estudo se devam simplesmente a uma subtracção do texto de chuva do soro, provocada por outras situações, uma vez que a desidratação.

“Indicámos que ‘qualquer fator’ presente no soro de urso hibernante pode regular o metabolismo de proteínas em células musculares esqueléticas humanas e contribuir para a manutenção da volume muscular. No entanto, a identificação deste ‘fator’ ainda não foi conseguida”, admite Miyazaki.

O investigador questionou porque é que não era verosímil erigir músculos que não enfraquecessem em primeiro lugar, em vez de restaurar músculos deteriorados.

“Eu queria fazer uma investigação que levasse ao desenvolvimento de métodos eficazes de reparação e formação”, contou Miyazaki, acrescentando que esta é a razão pela qual se interessou em explorar os segredos da hibernação.

“Ao identificar leste ‘fator’ na hibernação no soro dos ursos e ao clarificar o mecanismo inexplorado por detrás de músculos que não enfraquecem mesmo sem uso em animais que hibernam, é verosímil desenvolver estratégias de reparação eficazes em humanos e evitar permanecer acamado no horizonte”, conclui o investigador.

  ZAP //

Deixe um comentário