Seropositivos sofrem de ‘jet lag’ crónico

0
5705

Alexey Kashpersky

Concepção artístico do VIH criado pelo designer ucraniano Alexey Kashpersky

Um grupo de investigadores britânicos e sul-africanos concluíram que os portadores do vírus da imunodeficiência humana (VIH) têm um relógio interno bastante retardado, o que é consistente com os sintomas do ‘jet lag’.

Recentemente publicado no Journal of Pineal Research, o estudo explica alguns dos problemas de saúde vividos pelas pessoas com VIH e “orienta a investigação no sentido de melhorar a sua qualidade de vida”, de contrato com um expedido de prelo divulgado pela Northumbria University, citado pelo Interesting Engineering.

Em África, o VIH representa uma das crises humanitárias mais graves. Porquê pronunciado no SOS, os africanos representam dos infetadas em todo o mundo.

Investigadores das universidades de Northumbria e Surrey, no Reino Uno, muito porquê da Universidade de Witwatersrand e da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul, avaliaram adultos com 45 anos ou mais na província de Mpumalanga, onde uma em cada quatro pessoas tem VIH.

Descobriram que em indivíduos seropositivos, os ritmos fisiológicos diários, porquê o relacionado com a melatonina, eram atrasados em média mais de uma hora. O seu ciclo de sono também era mais pequeno, tendo os investigadores verificado que nascente começava mais tarde e acabava mais cedo.

À luz dos resultados, o estudo sugere a possibilidade de a infeção pelo VIH poder ocasionar uma perturbação no ritmo circadiano, semelhante à perturbação experimentada no trabalho por turnos ou devido ao ‘jet lag’.

“Os participantes que vivem com VIH experimentam essencialmente a perturbação de uma hora associada à mudança para horário de verão, mas todas as manhãs”, diz o Professor Malcolm von Schantz, Professor de Cronobiologia na Universidade de Northumbria, responsável correspondente da publicação.

“As nossas descobertas têm importantes implicações para a saúde e bem-estar das pessoas que vivem com o VIH, principalmente dadas as relações estabelecidas entre os ritmos circadianos perturbados e a privação do sono”, disse o Malcolm von Schantz, da Universidade de Northumbria, um dos autores da publicação.

“Isto é muito semelhante ao perfil observado nos trabalhadores por turnos. Compreender e mitigar esta perturbação pode ser um passo importante para ajudar as pessoas que têm o VIH a viverem de forma mais saudável”, acrescentou Karine Scheuermaier, da Universidade de Witwatersrand, a primeira autora do estudo.

Estes “resultados identificam um tópico de investigação urgente”, referiu Xavier Gómez-Olivé, da Universidade de Witwatersrand. “O passo seguinte deve ser o de estabelecer se existe a mesma perturbação do relógio corporal em pessoas mais jovens, que têm VIH, e que vivem noutros países”, completou.

“Nascente é um grande exemplo da valor de estudar o sono em pessoas que vivem em África, e demonstra porquê os resultados desta investigação também podem ser relevantes para pessoas em qualquer segmento do mundo”, indicou Dale Rae, da Universidade da Cidade do Cabo, que também participou no estudo.

  ZAP //

Deixe um comentário