“Somos solidários à Rússia”: bolsonaristas negam que frase

0
5071

Os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) estão compartilhando, na manhã desta quinta-feira (24), uma informação falsa dizendo que a enunciação do director do Executivo sobre “solidariedade à Rússia” durante visitante diplomática ao presidente russo Vladimir Putin não teria ocorrido.

:: Rússia inicia operação militar em Donbass; Ucrânia fecha espaço desatento e acende alerta em Kiev ::

No entanto, a frase foi dita por Bolsonaro ao lado de Putin na reunião entre eles, diante da prensa. Um vídeo mostra o exato momento em que o brasiliano deu a enunciação: “Somos solidários à Rússia”, afirmou.

O presidente está sendo duramente criticado pela frase depois que, em exposição divulgado na madrugada desta quinta-feira (24), Putin anunciou uma “operação militar privativo” na região de Donbass, no leste da Ucrânia.

Assista ao vídeo (a partir dos 8 segundos):

Uma vez que forma de tentar confundir, os bolsonaristas selecionaram uma outra enunciação feita por Bolsonaro na visitante à Rússia em que ele fala sobre “solidariedade”. Neste momento, todavia, ele não cita a Rússia.

“Somos solidários a todos aqueles países que querem e que se empenham pela silêncio”, disse o brasiliano, nesta outra ocasião. 

:: Lula sobre conflito entre Rússia e Ucrânia: “Não me conformo em ter que falar de guerra” ::

O indumento foi usado por uma apoiadora do presidente identificada porquê Elisa Brom para declarar que é “inacreditável a canalhice e desonestidade de segmento dos ‘jornalistas’ brasileiros”.

Somente na conta de Elisa Brom no Twitter, o vídeo já tem mais de 10 milénio visualizações. A peça que desinforma a reverência das declarações do presidente foi publicada às 10h20 desta quinta.

Putin inicia operação militar

No exposição divulgado na madrugada desta quinta-feira (24), Putin afirmou que o objetivo da operação na Ucrânia é proteger um povo submetido a oito anos de “genocídio pelo regime de Kiev”. A enunciação faz referência ao período iniciado com os protestos na Ucrânia que derrubaram o portanto presidente Viktor Yanukovych, em 2014.

:: Celso Amorim sobre conflito Rússia-Ucrânia: “não acredito que aconteça uma 3ª Guerra Mundial” ::

“As circunstâncias nos obrigam a tomar medidas decisivas e imediatas. As repúblicas populares de Donbass pediram ajuda à Rússia. A leste reverência, de combinação com o cláusula 51, segmento sete da Missiva da Organização das Nações Unidas (ONU), com a sanção do Recomendação da Federação e em cumprimento de tratados de amizade e assistência mútua com a RPD e a RPL, ratificados pela Parlamento Federalista, decidi realizar uma operação militar privativo”, disse o presidente russo.

A espaço é controlada por separatistas, que Putin reconheceu porquê independentes nesta semana. Donbass, no leste da Ucrânia, é um território de maioria russa onde situam-se duas importantes cidades separatistas: Donetsk e Lugansk. “Os confrontos entre forças ucranianas e russas é inevitável, é unicamente uma questão de tempo”, declarou o líder russo.

:: ONU diz que envio de tropas da Rússia para fronteira com Ucrânia “não são missão de silêncio” ::

O presidente russo recomendou aos soldados ucranianos que “larguem suas armas e voltem para moradia”. Em resposta a uma fala do presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, de que Kiev pode reconsiderar o status não nuclear do país, Putin também afirmou que a Rússia não permitirá que isso ocorra.

:: Biden anuncia “primeira rodada” de sanções contra Rússia ::

“Os países líderes da Organização do Tratatado do Atlânico Setentrião (OTAN) perseguem seus próprios objetivos apoiando totalmente os nazistas e neonazistas extremistas da Ucrânia, que, por sua vez, nunca perdoarão as pessoas da Crimeia e de Sebastopol por sua livre escolha de se reunificarem à Rússia”, disse Putin.

Ucrânia cita ‘invasão’ russa 

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, afirmou que a ação russa “é de larga graduação”. “As cidades pacíficas ucranianas estão sob ataque e essa é um guerra. A Ucrânia se defenderá e vencerá: o mundo pode e deve parar Putin e o momento de agir é agora”, pontuou.

A Ucrânia fechou o espaço desatento para voos civis nesta quinta. O governo cita cumeeira risco à segurança depois de ataques da Rússia a territórios ucranianos. O regulador de aviação da Europa alertou sobre perigos de voar em áreas de fronteiras com a Rússia e a Bielorrússia

Edição: Vivian Virissimo

Manancial: Brasil de Indumento

Deixe um comentário