têm mais de 60 anos e vão produzir um espectáculo de teatro

0
3645

(dr) Companhia de Teatro “Os Quatro Ventos”

Projecto em Santo Tirso, premiado, já arrancou e quer que os maiores de 60 anos sejam mais criativos e participativos na vida cultural.

M60 Geração à Frente. No Dia Mundial do Teatro, um projecto dissemelhante relacionado com o teatro. A Companhia de Teatro “Os Quatro Ventos” iniciou um projecto artístico devotado só a pessoas com mais de 60 anos.

O serviço educativo já está a ser implementado desde o mês pretérito e vai prolongar-se até Junho deste ano. A companhia de Santo Tirso quer – e está a – dar espaço e lugar aos maiores de 60 anos, para que sejam mais criativos e participativos na vida cultural.

A iniciativa recebeu o prémio “Escora a Projectos de Geração Artística que Visem o Combate à Solidão da População Sénior em Portugal”, da Instauração Belmiro de Azevedo / DGArtes. Foi o base necessário para concretizar a teoria de Pedro Ribeiro, o director-artístico.

“Ele teve premência, ou vontade, de envolver mais estas pessoas. Sempre trabalhamos com pessoas de todas as idades, seja em produções mais pontuais ou em aulas. Temos muitos sócios supra dos 60 anos”, explica Mariana Barros, produtora-executiva, em conversa com o ZAP.

A teoria foi aprofundada e muito impulsionada por Isménia Leite, também produtora: “E conseguimos seguir depois do prémio da Instauração Belmiro de Azevedo”.

Cinco turmas vão estar a preparar um espectáculo de teatro. Vocábulo, plástica, palco. São estas as áreas artísticas que orientam o projecto.

A dramaturgia (termo) já começou em Fevereiro, acabará no final de Março, e está a ser orientada por Federico Perrone. A formação centra-se na escrita de uma cena teatral relativa a eventos que os participantes viveram.

O design e a construção (plástica) arrancou neste mês e terminará em Abril. Sob a responsabilidade de Letícia dos Santos, os inscritos vão idealizar, edificar e confeccionar a segmento plástica do espectáculo, seguindo o texto criado em dramaturgia.

A versão e a encenação (palco) serão lideradas por Teresa Costa e Bernardo Sarmento. Os participantes podem optar por decorar texto e estar em palco, ou por encaminhar os jovens actores. Vai estrear em Abril e no fundo prolonga-se até 25 de Junho, o dia da apresentação do espectáculo, na Fábrica Santo Thyrso.

Federico Perrone, Letícia dos Santos, Teresa Costa e Bernardo Sarmento são jovens licenciados.

Os participantes definem a espaço artística da sua preferência, tendo a liberdade para a modificar a qualquer momento e para aglutinar as três.

Cinco instituições locais estão a ser o “palco” das aulas: S. Tiago – Associação de Solidariedade Social de Areias, Irmandade e Santa Mansão da Misericórdia de Santo Tirso, Associação de Solidariedade Humanitária de Monte Córdova, Núcleo Social São Rosendo e Club Thyrsense.

As sessões decorrem três ou quatro vezes por semana e contam com a participação das pessoas que frequentam, ou residem, nas instituições – com exclusão para o Club Thyrsense, onde qualquer pessoa se pode inscrever.

“A teoria é não permanecer por cá”, comentou Mariana Barros: “Já estamos a planear uma segunda edição, dependerá dos fundos. Temos mais instituições interessadas em trabalhar connosco”.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

Deixe um comentário