Trabalho precarizado no iFood mobiliza greves de entregadores

0
5182

A partir desta sexta-feira (25), véspera do termo de semana que emenda no carnaval, quem mora em Limeira (SP) e quiser comida de restaurante em mansão, vai ter de dar um jeito de buscar. Os entregadores de app da cidade do interno paulista estão de braços cruzados em protesto por melhores condições de trabalho.  


Nas redes sociais, entregadores convocam para a paralisação no município paulista / Divulgação

Em seguida, no sábado (26) e domingo (27), a greve acontece também em Vitória (ES). “A gente está enriquecendo o bolso deles”, avalia Rafael Souza, se referindo aos donos do iFood. “E eles ganhando nas costas dos entregadores, dos estabelecimentos e dos clientes”, aponta o entregador que faz troço da mobilização na cidade.  

Já no dia 6 de março paralisações estão agendadas para estrear em Cuiabá (MT), Florianópolis (SC) e Rio Branco (AC).  

Entregador do iFood na capital de Santa Catarina, Jonas classifica as condições de trabalho porquê “precárias”. Segundo ele, “as taxas são baixas e o reajuste não vem há mais de um ano”.  

Mudanças recentes nas lutas e na plataforma 

Esses breques se inserem em um caldo de aumento das mobilizações da categoria que, cada vez mais frequentes, desde setembro de 2021 têm a propriedade de paralisar por vários dias.  

Se contarmos uma greve que aconteceu em pleno ano novo em Mauá (SP), desde que entrou o ano de 2022 até os primeiros dias de março serão 10 greves de entregadores de app pelo país.  

:: iFood assina compromisso com entregadores escolhidos pela própria empresa e não aumenta repasse ::

Elas já aconteceram em Mauá (SP), Piracicaba (SP), Goiânia (GO), Aparecida de Goiânia (GO), Manaus (AM) e Campo Grande (MS). 

Nenhuma delas, no entanto, conseguiu arrancar uma vitória significativa do ponto de vista das reivindicações. 

As demandas principais são o aumento das taxas – atualmente o iFood paga o valor mínimo de R$ 5,31 por corrida -; o termo das entregas de dois ou mais pedidos em uma viagem só (também chamado de “rota dupla”); e o termo dos desligamentos de conta sem justificativa.  



Em Vitória (ES) grevistas preparam uma das faixas da mobilização, marcada para o termo de semana do carnaval / Divulgação

Além dessas reivindicações, as greves atualmente são uma reação a duas mudanças recentes implementadas pelo iFood, empresa hegemônica do ramo de delivery no país e, portanto, níveo principal das mobilizações de entregadores.  

:: UberEats anuncia o termo do serviço de delivery de restaurantes no Brasil ::

Subpraça e agendamento 

No iFood, há dois modelos de cadastro de entregadores. Um, chamado de “Nuvem”, é aquele em que a pessoa define seu próprio horário de trabalho. O outro é o Operador Logístico (OL). Sua relação com o iFood é intermediada por uma empresa, que controla a conta da sua frota de entregadores. Estes têm jornada fixa agendada previamente.  

Mais recentemente foi criada uma subcategoria dentro do OL. Chamados de “subpraça” ou “subárea”, esses entregadores fazem corridas exclusivamente em uma espaço delimitada da cidade. Em universal, em bairros onde há demanda, mas menos preferência por troço de trabalhadores. 

:: Em ano de greves, iFood organiza fórum com entregadores escolhidos e agenda desconhecida ::

Acontece que, de simetria com trabalhadores “Nuvem” de diversas cidades – e eles representam, de simetria com o iFood, 80% dos entregadores cadastrados – ultimamente a plataforma tem direcionado a maioria dos pedidos para os “OL subpraça”.  

Os grevistas de Goiânia (GO), por exemplo, afirmam que quem trabalha porquê “Nuvem” na cidade viu seu rendimento desabar pela metade desde o início do ano. O novo cenário se agravou, segundo eles, com a decisão da UberEats de fechar seu serviço de delivery de restaurantes no Brasil.  

Outra novidade mal recebida foi a implementação feita pela o iFood, porquê teste, do formato de agendamento dos turnos de trabalho mesmo para quem é “Nuvem”. Esse padrão já está em vigor em 16 cidades brasileiras.  

Dia da pataratice 

Ao Brasil de Vestimenta o iFood informou que estão “melhorando o planejamento de entregas com o objetivo de trazer mais previsibilidade para a operação e para os entregadores parceiros”. 

“A proposta do aplicativo era você ser um entregador independente, que ligasse e desligasse a hora que você quisesse, mas não é muito isso que acontece”, critica Rafael.  

:: No primeiro dia do fórum do iFood, entregadores travam rodovia e brecam em 2 cidades de SP ::

Assim, o termo da categoria “subpraça” ou a subdivisão leal de pedidos entre as modalidades de entregadores, muito porquê o término do agendamento são reivindicações presentes nas greves que se espalham nesse ano de 2022. 

Em nota, o iFood afirmou que “respeita o recta de revelação” e que “mantém o diálogo destapado com os entregadores para buscar melhorias para os profissionais e para todo o ecossistema”.  

Com o mote do dia da pataratice, entregadores ventilam a possibilidade de fazer uma paralisação simultânea vernáculo no dia 1 de abril. 

Edição: Vivian Virissimo

Manancial: Brasil de Vestimenta

Deixe um comentário