Ucrânia anuncia terceira rodada de negociações para segunda

0
4769

A Ucrânia anunciou, neste sábado (5), uma terceira rodada de negociações com a Rússia para tentar colocar término ao conflito com o país vizinho. Quem informou sobre a provável realização deste encontro foi o negociador ucraniano David Arakhamiya, em uma postagem nas redes sociais. Ele não trouxe mais detalhes.

:: Bolsonaro se aproxima de Putin por agenda antiglobalista e aumenta isolamento do Brasil ::

A Rússia, por sua vez, até o momento não se manifestou sobre nascente encontro. Outros veículos internacionais também revelam que o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, colocou a reunião porquê uma exigência ucraniana, em seguida encontro com o secretário de Estado dos EUA, Athony Blinken. 

Caso se confirme esta agenda entre os dois países, será a terceira tentativa de edificar uma trégua no conflito, que já dura dez dias. Segundo dados divulgados pela Organização da Nações Unidades (ONU), o conflito já deixou, até sexta-feira (4), 351 civis mortos e 701 feridos. Aproximadamente, 1,2 milhão de pessoas fugiram da Ucrânia por pretexto da guerra.

Sem cessar-fogo

Neste sábado, autoridades locais ucranianas acusaram a Rússia de não respeitar o cessar-fogo parcial combinado, que teria duração de cinco horas. A pausa no conflito nesta região do país havia sido acordada em reunião na última quinta-feira (3).

As cidades Mariupol e Volnovakha cancelaram a evacuação dos civis por um galeria humanitário, denunciando a permanência dos bombardeios.

Por sua vez, autoridades russas declararam  que as forças ucranianas estavam se aproveitando da trégua para se reposicionar e estavam efetuando ataques contra militares da Rússia. Em seguida a falta de consenso sobre o cessar-fogo, as forças russas retomaram os ataques contra Mariupol.

Putin acusa

O presidente Vladimir Putin disse neste sábado (5) que as sanções ocidentais à Rússia funcionam porquê um ataque de guerra e alertou que a adesão da Ucrânia à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Setentrião) coloca o mundo em risco. 

“Começaram a falar mais ativamente sobre a Ucrânia ser aceita na Otan. Vocês entendem ao que poderia levar isso? E pode levar ainda agora? Se é membro da Otan, logo, em conformidade com o tratado fundador desta organização, todos os outros membros da Coligação devem concordar esse país em caso de um conflito militar”, declarou o presidente. 

:: Em “nome da tranquilidade”, EUA gastaram mais de US$ 8 trilhões em invasões militares desde 2001 ::

Putin também voltou a falar da natureza da operação militar no país vizinho e alertou que qualquer introdução de zona de exclusão aérea na Ucrânia por qualquer país “será considerado por nós porquê participação do conflito armado pelo país a partir de de quem território fossem criadas ameaças para nossos militares”, completou o presidente russo. 

A companhia aérea russa Aeroflot anunciou que suspenderá os voos internacionais a partir do dia 8 de Março, em reação às sanções ocidentais. Somente a Bielorússia fica de fora desta suspensão das atividades. 

Petróleo russo tem cheiro de sangue

Pelo lado ucraniano, neste sábado o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba concedeu uma entrevista. A poder pediu aos países da comunidade internacional que continuem aplicando sanções contra a Rússia, sobretudo econômicas.

:: Guerra de versões: Parlamento ucraniano nega fuga de Zelensky para a Polônia :: 

“Pedimos uma novidade rodada de sanções contra Rússia. Queremos todos os bancos os excluídos [do sistema internacional], é preciso interromper a compra de petróleo russo. O petróleo russo tem cheiro de sangue: o ucraniano. Vemos que muitas multinacionais saíram da Rússia, eu encómio essas decisões. Peço para que todas as empresas parem de investir na Rússia”, disse Kuleba

O presidente Volodimir Zelenskiy também se pronunciou no sábado. Zelenskiy agradeceu a mobilização da população lugar que está protestando e pediu que siga assim. “Eu admiro cada ucraniano e ucraniana que esta protestando contra o tropa russo. (…) Quem pode proteger a cidade, tem que continuar na luta. Se todo mundo trespassar, de quem vai ser a cidade”.

Protestos

Oriente sábado (5) também foi marcado por manifestações em vários lugares do mundo contra a guerra. Chile, Israel, França, Estados Unidos, Letônia e Itália registraram atos.

Edição: Lucas Weber

Nascente: Brasil de Trajo

Deixe um comentário