“Uma das maiores descobertas de sempre”. Decifrada letreiro hebraica de tábua “amaldiçoada”

0
3359

Michael C. Luddeni / Associates for Biblical Research

A tábua “amaldiçoada” encontrada no monte Ebal.

Investigadores decifraram a mensagem inscrita numa tábua “amaldiçoada”, a mais antiga letreiro hebraica conhecida.

“E será que, havendo-te o Senhor, teu Deus, introduzido na terreno, a que vais para possuí-la, portanto pronunciarás a bênção sobre o monte de Gerizim, e a maldição sobre o monte de Ebal” (Deuteronómio 11:29).

Nesta passagem bíblica, antes da ingressão dos judeus na chamada “Terreno Prometida”, Moisés aconselha os israelitas a lançarem a maldição sobre o monte Ebal. Acredita-se também que Josué tenha construído um altar nesse mesmo monte depois a Guerra de Ai.

Agora, especialistas da Associates for Biblical Research (ABR) alegam ter decifrado uma antiga maldição de uma tábua de chumbo encontrada numas escavações no sítio, avança o jornal israelita Haaretz.

A tábua está inscrita com 40 letras hebraicas antigas. Uma datação prévio sugere que é do final da Idade do Bronze, tendo mais de 3 milénio anos. A confirmar-se, é o texto proto-hebraico mais vetusto já alguma vez encontrado em Israel.

Na tradução de 23 palavras da letreiro, a vocábulo “maldição” aparece dez vezes e a vocábulo “YHWH”, o tetagrama que na Bíblia hebraica indica o nome próprio de Deus, aparece duas vezes, disse a Associates for Biblical Research (ABR), citada pelo The Jerusalem Post.

Se as alegações estiverem corretas, esta pequena tábua — com dois centímetros de largura e comprimento — pode ser vista porquê uma das maiores descobertas arqueológicas de todos os tempos, escreve o Israel Hayom.

O título não seria descabido. Finalmente de contas, esta seria a prova do primeiro uso da vocábulo “O Senhor” na “Terreno Prometida” e atrasaria a idade da alfabetização em vários séculos.

Os investigadores decifraram a mensagem completa que estava inscrita na tábua, podendo ler-se:

“Maldito, precito, precito — precito pelo Deus YHWH.
Você vai morrer precito.
Maldito você certamente morrerá.
Maldito por YHWH — precito, precito, precito”.

Um investigador da Universidade de Haifa, em Israel, explicou que a estrutura literária sugeria que a mensagem foi escrita porquê um quiasmo, uma estrutura literária conhecida nos Salmos com frases consecutivas em que se repete a mesma estrutura gramatical.

“É preciso consumir para viver e não viver para consumir” é um exemplo popular de um quiasmo.

A invenção apoia a teoria de que os israelitas eram alfabetos quando entraram em Israel e poderão até ter escrito a Bíblia.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe um comentário