Uma vez que devem os Governos responder se detetarmos uma cultura ET?

0
4991

KELLEPICS / pixabay

A ficção científica é o domínio onde as pessoas tradicionalmente enfrentam o contacto com uma ETI (Lucidez Extraterrestre).

Mas agora, essas discussões estão a transmigrar da ficção científica para domínios mais sérios. Um item de cada vez, os académicos têm discutido sobre a resposta e as consequências geopolíticas do verosímil contacto com uma ETI.

A discussão é interessante se você acha que é provável ou mesmo remotamente verosímil que a humanidade entre em contato com uma ETI. E pode nos manifestar mais sobre a humanidade do que sobre uma ETI.

Um novo item intitulado “implicações geopolíticas de um programa SETI bem-sucedido” é a último a debruçar-se sobre a questão entre os especialistas. Oriente item é uma resposta a um item anterior publicado em 2020 chamado “The Search for Extraterrestrial Intelligence: A Realpolitik Consideration”.

Neste item anterior, os dois autores apontam que muito do pensamento em torno das ETIs está centrado nos riscos de Searching for Extraterrestrial Intelligence (SETI) e Messaging an Extraterrestrial Intelligence (METI). E se a ETI for tecnologicamente avançada e ameaçadora? E se eles forem uma vez que conquistadores ou um pouco assim?

Stephen Hawking expressou muito esse pânico em 2010, quando disse: “Tais alienígenas avançados talvez se tornariam nómadas, procurando invadir e colonizar quaisquer planetas que pudessem compreender”.

Estes tipos de alienígenas invasores rendem milhões de dólares a Hollywood, mas os autores focaram-se n um risco dissemelhante, que não atrai tanta atenção. Qual é esse risco? “Especificamente, o risco de exclusivamente detetar um sinal forasteiro da atividade passiva do SETI é geralmente considerado insignificante”, escrevem eles.

A realpolitik em ação

O que há de tão perigoso em exclusivamente detectar um sinal? Nós e a nossa realpolitik.

Se  não está familiarizado com o termo realpolitik, a história está enxurro de exemplos. O Merriam-Webster define realpolitik uma vez que “Política baseada em fatores práticos e materiais, e não em objetivos teóricos ou éticos”.

A realpolitik é a política suja entre grupos políticos, geralmente nações. A realpolitik refere-se à mecânica do poder em nosso mundo. E por que é que é relevante para o nosso potencial contato com uma ETI? Porque a natureza humana não mudou.

Se detetarmos passivamente um sinal de uma ETI, isso pode ser preocupante para as pessoas religiosas. A sua visão de mundo pode ser severamente ameaçada e pode possuir alguma reviravolta significativa em países religiosos ou até mesmo violência religiosa extremista.

Mas isso acabaria e as pessoas voltariam às suas vidas diárias. Seria revolucionário para os cientistas, mas a maioria das pessoas seguiria em frente com as suas vidas. É isso que o item de 2020 conclui. Mas uma vez que é que as nações e os seus líderes políticos reagiriam?

Sempre que os países competem uns com os outros, há qualquer tipo de realpolitik. E quando se trata do contacto com uma ETI, monopolizar esse contacto apresenta benefícios potenciais para a região que o fizer.

“A história das relações internacionais vista pelas lentes da tradição realpolitik do pensamento político realista sugere que há um risco mensurável de conflito sobre o favor do chegada monopolista aos canais de notícia da ETI”, escrevem os autores. “Essa possibilidade tem de ser considerada ao se averiguar os riscos e benefícios potenciais do contacto com a ETI.”

O transe está no que podemos fazer a nós mesmos. Qualquer ETI provavelmente teria uma enorme vantagem tecnológica sobre nós e, desde que a ETI não fosse maliciosa, essa vantagem representa uma oportunidade para os países.

Se um governo monopoliza as comunicações com a ETI, pode lucrar uma vantagem tecnológica. Imagine a China, a Rússia ou os EUA a cobiçar essa vantagem tecnológica. Esta é a lente realpolitik que os autores estão a examinar e que pode levar a conflitos ou outras consequências indesejáveis.

Os autores fazem várias recomendações — sugerem que os cientistas que trabalham no SETI estabeleçam relações de escora com as autoridades locais, fortaleçam os perímetros e a segurança das suas instituições e reforcem a segurança do pessoal para os cientistas e suas famílias. Os cientistas também sugerem que as instalações de reparo, uma vez que radiotelescópios, adotem medidas de segurança semelhantes às das centrais nucleares.

O outro lado do prisma

Mas o novo item, que é uma refutação ao estudo de 2020, não vê estas medidas de segurança uma vez que úteis e também considera que é improvável que qualquer região possa de alguma forma monopolizar as comunicações com uma ETI. Os autores consideram antes que a prenúncio mais realista é que uma região pense que consegue monopolizar as comunicações.

Os autores também criticam outros aspetos do cenário realpolitik do WT 2020. Por exemplo, se é uma democracia ocidental que deteta um sinal, poderia monopolizá-lo? Improvável, segundo os autores, já que a ciência ocidental está muito integrada internacionalmente.

Aliás, que vantagem tecnológica específica poderia ser obtida de um contacto com uma ETI? Já temos armas nucleares suficientes para destruir a cultura. Também temos armas biológicas. Uma ETI poderia partilhar involuntariamente informações que permitiriam ao monopolizador edificar qualquer tipo de super-arma? Segundo os autores, isto já entra no reino da ficção científica.

Para os autores, a melhor maneira de evitar que os estados pensem que podem lucrar um monopólio é através da introdução, em vez de medidas mais rígidas de segurança e policiamento.

Os autores explicam isso claramente: “A existência de instalações protegidas e fluxos de informações bloqueados poderia ser interpretada por pessoas de fora uma vez que evidência de que alguma atividade que altera o mundo estava a ocorrer dentro dessa comunidade ou instalação, levando exatamente ao tipo de espionagem e conflito que se está a tentar evitar”.

No entanto, há um ponto de pacto entre os dois estudos sobre a segurança dos cientistas. “Mesmo que tenhamos boas razões para evitar extensas proteções de segurança das instalações em si, há outras razões para se substanciar a proteção aos praticantes do SETI, principalmente no caso de deteção”, escrevem os autores. Esses cientistas podem muito muito tornar-se alvos de assédio e até agressão.

E finalmente, o que sugerem que o mundo faça quando encontrar uma ETI? Em vez de fortalecer a segurança nos sites do SETI, os autores “recomendam transparência,
partilha de dados e ensino dos legisladores”.

Deixe um comentário