Volta às aulas: três reitores nomeados por Bolsonaro ignoram

0
5041

Boa troço das universidades federais seguiu a orientação do Ministério da Ensino (MEC) e resolveu retomar as atividades presenciais em 2022. Mas as gestões não têm tomado a iniciativa de propor medidas de prevenção à covid-19 nas universidades.

Leia mais: Bolsonaro nomeia pela 22ª vez reitor que não ficou em primeiro na consulta pública

Das 69 universidades federais do país, atualmente 22 são administradas por reitores nomeados por Jair Bolsonaro (PL), que desconsiderou os candidatos mais votados pela comunidade acadêmica. Três desses nomeados, os reitores das universidades federais do Ceará, do Vale do São Francisco e de Sergipe ignoram ações para prevenção da covid-19 no retorno às atividades presenciais.

A Universidade Federalista do Ceará (UFC) desde 2019 é gerida por Cândido Albuquerque, nomeado por Jair Bolsonaro. O reitor chegou a adotar um reza contra a vacinação, que foi repudiado pela comunidade acadêmica.

Leia também: Reitor da UFC escolhido por Bolsonaro posteriormente permanecer em último em eleição comete plágio

As aulas na instituição devem voltar no mês de março. A estudante de Ensino Física da UFC e vice-presidenta da União dos Estudantes do Ceará (UEE – Ceará), Thalita Vaz, se preocupa com a falta de planejamento da gestão para a volta às aulas. “Hoje gente vê um cenário de verdadeiro caos para ser feito quando a gente voltar, a gente não sabe uma vez que os RU’s [restaurantes universitários] vão funcionar, uma vez que será o retorno dos estudantes dos interiores, uma vez que vão funcionar os campi, etc”, aponta Thalita.

A lista de universidades com nomeados também inclui a Universidade Federalista do Vale do São Francisco (Univasf). O reitor pro tempore, Paulo César Fagundes Neves, foi indicado pelo logo Ministro da Ensino, Abraham Weintraub, em agosto de 2020, descumprindo a lista tríplice. O retorno na instituição estava previsto para janeiro, mas vem sendo diferido por desculpa do progresso do número de casos de covid-19. Agora, a previsão de volta é para o mês de março.

O estudante de Artes Visuais da Univasf e presidente do Diretório Médio dos Estudantes (DCE) da instituição, Bruno de Melo, se preocupa com a falta de um projecto de retorno e a garantia dos protocolos de segurança, já que a comunidade estudantil quer retornar aos campi.

“Cá tem uma situação em que os estudantes querem retomar as atividades presenciais. Por troço dos professores ainda tem muita resistência, e por troço da reitoria não tem nenhum esforço em prometer essa segurança sanitária também. A gente não vê nenhuma notícia sobre a compra de testes, não tem notícias sobre a compra de álcool em gel pra prometer pra todo mundo ou logo material de higiene”, avalia Bruno.

:: Universidades federais perdem 12% do orçamento durante governo Bolsonaro ::

Na Universidade Federalista de Sergipe (UFS), o reitor Valter Joviano Santana Rebento foi indicado em descumprimento à lista tríplice durante a pandemia. A UFS retomou as atividades ainda na modalidade híbrida em janeiro deste ano.

Marcos Galvão, estudante de Recta que faz troço da atual gestão do Meio Acadêmico do seu curso, avalia o traje de muitas coisas não terem sido previstas no projecto de retomada. “Ficou tudo a missão dos departamentos e eles têm uma dificuldade em conseguir conduzir, porque é a reitoria que possui todo o parâmetro administrativo e econômico para dar prosseguimento [à reabertura]. Eu acho que a gente precisa ainda ter uma distribuição de máscaras, nem todas as máscaras têm efetividade, nem todos os banheiros estão estruturados para possuir uma higiene mínima e básica”, destaca Marcos.

:: Depois 115 dias de mobilização, Bolsonaro nomeia reitor na UFS no lugar de interventora ::

Com a falta de planejamento, estudantes, professores e servidores estão se organizando para tentar prometer uma retomada segura em todas as instituições. “Acho que é uma forma da gente socializar uma vez que a gente está se organizando na UFC, porque se não tem resposta, existe vácuo, a gente vai dar a resposta”, acredita Thalita.

A reportagem do Brasil de Trajo Pernambuco entrou em contato com a Universidade Federalista de Sergipe (UFS) e a Universidade Federalista do Vale do São Francisco (Univasf), mas não recebeu resposta até o fechamento da material. Já a Universidade Federalista do Ceará (UFC) enviou a nota que segue na íntegra:

“O retorno das atividades acadêmicas presenciais na UFC está confirmado para o dia 16 de março, início do semestre 2022.1. Neste momento, os documentos orientadores para a retomada, com todos os detalhes quanto ao funcionamento da Universidade na volta presencial, estão em tempo de validação e publicação formal. Portanto, somente a partir da próxima semana poderemos publicar informações sobre esse material.”

Manancial: BdF Pernambuco

Edição: Vanessa Gonzaga

Manancial: Brasil de Trajo

Deixe um comentário